O que é foco narrativo? Entenda e conheça os tipos de narrador!

Você sabe o que é foco narrativo? Muito importante no desenvolvimento da escrita, ele define sob qual perspectiva o narrador vai narrar os acontecimentos contidos no enredo da obra.

Assim, o foco narrativo e os tipos de narrador são essenciais para o planejamento do enredo de um livro. Por isso, hoje vamos explicar o que é foco narrativo e como ele é fundamental no trabalho dos escritores. Confira!

O que é foco narrativo

O foco narrativo é o ponto de vista de quem conta a estória. Por isso, também pode ser designado como o ponto de vista do narrador. Dessa maneira, determina sob qual aspecto a estória será desenvolvida.

Continue lendo e entenda melhor os tipos de narrador e sua relação com o foco narrativo escolhido no planejamento de um livro!

O que é foco narrativo em primeira pessoa

O foco narrativo pode ser em primeira pessoa ou em terceira pessoa. No primeiro caso, ocorre quando a estória está sendo contada por um personagem.

Dessa forma, são características do foco narrativo em primeira pessoa os seguintes pontos:

  • Subjetividade;
  • Exposição de pensamentos;
  • Conflitos internos;
  • Maior envolvimento emocional.

Por estar envolvido nos conflitos da estória, o narrador em primeira pessoa apresenta maior envolvimento emocional ao invés de se mostrar imparcial.

Então, a subjetividade desse foco narrativo ocorre, por exemplo, quando ele expõe seus pensamentos e conflitos internos.

Nem tudo o que este tipo de narrador expõe corresponde necessariamente à realidade da estória. Assim, esse é um elemento que traz suspense à trama, bem como aguça a curiosidade do leitor, que continua virando a página a fim de compreender esse ponto de vista do personagem.

O que é foco narrativo em 3 pessoa

Já o foco narrativo em terceira pessoa é aquele que o narrador não participa ativamente da estória. Ou seja, não é um personagem dentro do enredo, mas um mero observador, totalmente externo ao desenvolvimento dos acontecimentos, responsável apenas por narrá-los.

Desse modo, a narração tem maior objetividade e pode ser mais verdadeira e coerente com os demais elementos da trama.

Nesse tipo de foco narrativo, quem narra conhece todos os aspectos de todos os personagens, podem saber o que estão pensando e tudo o que cada um fez e fará ao longo da narrativa.

Foco narrativo e tipos de narrador

O foco narrativo é um dos elementos mais importantes entre os passos de como escrever um livro, pois é ele que define o tipo de narrador do livro.

Como falamos anteriormente, o foco narrativo pode ser em primeira pessoa ou em terceira pessoa.

No foco narrativo em primeira pessoa, podem existir os tipos de narrador:

  • Narrador personagem: quando é o protagonista quem narra;
  • Narrador testemunha: quando é narrado sob a visão de um personagem secundário.

Por outro lado, o foco narrativo em terceira pessoa determina os tipos de narrador:

  • Narrador observador, também chamado de câmera: que se limita a contar os fatos à medida que a estória procede e não conhece os pensamentos dos personagens. Assim, intervém pouco na narrativa, apontando apenas os acontecimentos de forma objetiva.
  • Narrador onisciente: por outro lado, conhece todos os aspectos da estória, desde os pensamentos dos personagens até o que está para acontecer em seguida. Tem uma intervenção maior na narrativa e, por isso, é comparado a um narrador “divino”, pois sabe de tudo.
Foco narrativo Tipos de narrador
Foco narrativo em 1 pessoa Narrador personagem ou Narrador testemunha
Foco narrativo 3 pessoa Narrador observador ou Narrador onisciente

Narrador personagem

Só para recapitular, o foco narrativo em primeira pessoa gera o narrador personagem ou o testemunha.

Por isso, a estória é narrada em 1ª pessoa do singular ou do plural (eu, nós).

Exemplo

A escritora Dani Ferreira usa o foco narrativo em primeira pessoa no livro “O Ladrão de Sonhos”. Porém, ao longo do livro, varia entre a narração de mais de um personagem, além do protagonista.

Como o narrador personagem não pode descrever o que está fora do seu ponto de vista, esta técnica de troca de personagens ajuda a incluir ao enredo outros cenários e subtramas. Consequentemente, a estória se torna mais interessante e prende o leitor.

“Nunca entendi qual a graça de perturbar os outros a troco de nada. Acho que é algum tipo de ritual dessa cultura inútil sediada pela escola. Podia mudar de endereço, mas era sempre a mesma coisa em cada uma delas. Todo lugar têm algum tipo de imbecis.”

Trecho retirado do livro “O Ladrão de Sonhos”, autora: Dani Ferreira
Trecho retirado do livro “O Ladrão de Sonhos”, autora: Dani Ferreira

Narrador observador

Esse tipo de narrador é escrito em 3ª pessoa (ele, eles), pois se trata de alguém externo à estória. Logo, refere-se aos personagens de maneira impessoal, sem se incluir nos acontecimentos da narrativa.

Além disso, limita-se a expor os eventos na medida em que vão surgindo e em que é necessário passar alguma informação relevante para o entendimento do leitor.

Nesse caso, não é comum acontecer interferências do narrador. Desse modo, a narração é mais direta.

Narrador onisciente

Embora esteja fora dos acontecimentos, o narrador onisciente conhece tudo: pensamentos, ações e fatos de todos os personagens e de toda a estória, tanto sobre passado quanto sobre presente e futuro.

Por isso, é alguém acima dos personagens.  Dessa maneira, a narração ocorre em 3ª pessoa (ele, eles), mas também pode ter momentos de narração em 1ª pessoa, por exemplo, quando o narrador apresenta os pensamentos dos personagens.

Além disso, o narrador onisciente pode intervir no fluxo da narrativa ao “opinar” sobre algo na estória. Isso é visível em contos de fadas, por exemplo, como trechos do tipo “naqueles tempos as criancinhas não respondiam aos mais velhos. Eram tempos melhores, de fato”.

Perceba que há uma interrupção na narrativa dos eventos apenas para reforçar que antigamente as crianças eram mais obedientes e respeitosas aos mais velhos. Apenas um narrador soberano como o narrador onisciente pode fazer isso, pois ele está acima do enredo, sabe de tudo e de todos.

Vale ressaltar ainda que este tipo de narrador é mais comum em estórias de fantasia e ficção-científica.

Quer tirar seu projeto do papel? Aprenda neste e-book gratuito como escrever um livro de ficção e fantasia em 5 passos!

Como escrever um livro de ficção e fantasia em 5 passos

Exemplo

“Eles se calaram, se abraçaram e foram dormir, na esperança do surgimento de um dia melhor. Afinal, uma longa jornada havia iniciado, a qual os conduziria a árduas escolhas futuras. Escolhas que definiriam quem Jonathan e Anna Dustin realmente eram, e o que deixariam como legado para o mundo.”

Trecho retirado do livro “Derek Dustin e As Crônicas do Rei Livro I – A Irmandade Secreta”, autora: Dani Ferreira
Trecho retirado do livro “Derek Dustin e As Crônicas do Rei Livro I – A Irmandade Secreta”, autora: Dani Ferreira

Foco narrativo 1 ou 3 pessoa

Muitos escritores se perguntam qual o tipo de narrador é melhor usar no seu livro. Não há uma resposta certa, mas há formas de tomar a decisão criativa mais assertiva.

Primeiro, analise o gênero e o subgênero literário que você está trabalhando e pesquise outros livros nesse segmento.

Estude e observe qual o tipo de narrador majoritário para esse tipo de obra e analise se está de acordo com seu estilo próprio.

Em segundo lugar, tente sempre fazer algo diferenciado, inovar e colocar a sua marca como escritor.

Porém, se você é um autor no início de carreira e está procurando dicas para escritores iniciantes, sugerimos começar pelo foco narrativo em terceira pessoa e o narrador observador ou o onisciente.

Pois, estes são os mais fáceis de começar a trabalhar, uma vez que é possível descrever todos os aspectos da estória sem cometer furos de ponto de vista.

A autora Dani Ferreira iniciou sua carreira com esse tipo de foco de narrativa e, mesmo assim, não deixou de imprimir seu estilo. Então, você pode usar o mais simples e inovar!

Comece a narrar suas estórias com confiança!

O foco narrativo define a “voz do texto” e o tipo de narrador do livro. Portanto, é fundamental que o autor saiba o que é foco narrativo e quais tipos de narrador podem ser usados na sua obra.

A definição de qual foco narrativo e narrador usar deve ser feita antes da etapa de escrita. Ou seja, durante o planejamento da obra. Assim, seu texto ficará coerente e poderá cativar o leitor do início ao fim!

O que achou de nossas informações sobre o que é foco narrativo de um livro?

Conhecer melhor sobre foco narrativo e tipos de narrador é fundamental para que o autor conduza a sua estória como deseja.

Então, se você conhece um colega com dúvidas nesse assunto, compartilhe este post e ajude-o a narrar suas estórias com toda a confiança!

Assine nossa Newsletter e receba os novos conteúdos por e-mail!